Área Restrita

Gaudium et Spes


 

 

CONCÍLIO VATICANO II E A ATENÇÃO À REALIDADE

 

 

 

O Concilio Vaticano II no documento Gaudium et Spes ou seja, alegria e esperança, sobre a igreja no mundo de hoje,  apresenta as muitas preocupações da igreja com as realidades mundiais que se transformam de maneira muito rápida e que trazem  muitos questionamentos e muitas preocupações sobre o como evangelizar em um mundo marcado por tantas mudanças.

 

O documento vem ser essa luz para aqueles e aquelas que se colocam neste caminho desafiador de anunciar o Cristo no mundo atual. Enganam-se aqueles que pensam que a igreja se preocupa apenas com as realidades religiosas, porque a igreja está inserida no mundo e é  neste mundo que se apresenta, que devemos anunciar, pois, “as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos homens de hoje, sobretudo dos pobres e de todos aqueles que sofrem, são também as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos discípulos de Cristo; e não há realidade alguma verdadeiramente humana que não encontre eco no seu coração; a Igreja sente-se real e intimamente ligada ao gênero humano e à sua história.” (GS Proêmio)

 

O documento decorre por diversas realidade e está dividido em duas partes:  a primeira contém quatro capitulos e a segunda parte  cinco.

 

Primeira parte: A condição do homem no mundo hoje

I Capitulo – A dignidade da pessoa humana

II Capitulo – A comunidade humana

III Capitulo – A atividade humana no mundo

IV Capitulo – O papel da igreja no mundo contemporâneo

Segunda parte: Alguns problemas mais urgentes

I Capitulo – A promoção da dignidade do matrimonio e da família

II Capitulo – A conveniente promoção do progresso cultural

III Capitulo – A vida econômica e social

IV Capitulo – A vida da comunidade política

V Capitulo – A promoção da paz e da comunidade internacional

 

 

Neste documento a igreja coloca como seu dever, "investigar a todo o momento os sinais dos tempos, e interpretá-los à luz do Evangelho."

(GS 4). E percebe que ao mesmo tempo que os avanços na tecnologia, na cultura e no crescimento econômico avançam, muitas pessoas ainda sofrem com a fome, com a falta de recursos básicos para viver como:  moradia, saúde,   água. Em consequência, cresce os vícios, a vilência, a perda de sentido da vida, a inversão de valores e a família padece de todos estes males.

 

“Nunca os homens tiveram  tão vivo o sentido da liberdade como hoje, em que surgem novas formas de servidão social e psicológica. Ao mesmo tempo que o mundo experimenta intensamente a própria unidade e a interdependência mútua dos seus membros na solidariedade necessária, ei-lo gravemente dilacerado por forças antagónicas; persistem ainda, com efeito, agudos conflitos políticos, sociais, econômicos, «raciais» e ideológicos, nem está eliminado o perigo duma guerra que tudo subverta.” ( GS4)

“O mundo atual apresenta-se, assim, simultaneamente poderoso e débil, capaz do melhor e do pior, tendo patente diante de si, o caminho da liberdade ou da servidão, do progresso ou da regressão, da fraternidade ou do ódio. E o homem torna-se consciente de que a ele compete dirigir as forças que suscitou, e que tanto o podem esmagar como servir. Por isso  interroga a si mesmo.” ( GS, 9)

Com esse documento a igreja nos anima a jamais perder a esperança, a alegria e a fé pois apesar de serem tantos os desafios nos quais a luz é o proprio Cristo, não morto mas resuscitado e, acredita plenamente que  Cristo é a chave para  abrir a porta do coração humano para que sejamos “um só rebanho e um só Pastor”.

 

A PASTORINHA E OS SINAIS DOS TEMPOS

 

 

 

Inseridas nas várias realidades e em locais diferentes, junto com o povo, experimentamos os dissabores e os sofrimentos que passam, buscando ser para essas pessoas aquilo que nos pede  Pe. Alberione “Ser mães para o povo” (C. Meta, pag. 91)

O que implica o ser mãe? A mãe é aquela que cuida com carinho dos filhos a ela confiados, que conduz mostrando o caminho, e assim, somos como irmãs convidadas a ser de modo especial, nos tempos atuais, um testemunho de cuidado, zelo e principalmente de amor, mas  para isso precisa  se preparar bem para corresponder a estes desafios.

 

Nos vários projetos e pastorais em favor da vida e das causas populares que assumimos como missão, queremos testemunhar que acreditamos em um mundo melhor e, que mudanças são possíveis quando saímos do individualismo e trabalhamos juntos como povo de Deus que, caminha para a felicidade que só é plena quando estamos em Cristo. Todas espalhadas pelo mundo fazendo o Reino de Deus acontecer em toda e qualquer realidade, onde a humanidade grita por mais amor e por mais vida!

 

PARA REFLETIR:

  1. O que mais lhe causa sofrimento hoje olhando para o mundo?

  2. Você acredita que o mundo pode ser melhor? Qual a sua contribuição para essa melhoria?

  3. Onde é possível encontrar as respostas para tantas perguntas que diariamente questionam as nossas praticas?

  4. Quais os frutos dessa reflexão em sua vida?

 

Bibliografia:

Gaudium et Spes

 

 Irmã Joana D’Arc de Assunção – ijbp