Área Restrita

Artigo da Irmã Amélzia

Data 07/06/2011 | - Hora 21:47
Postado por Irmã Maria Sueli Berlanga
0 comentário(s) ...

 

 

Dizia Pe. Tiago Alberione: “A vossa missão nasce do amor...”

Foi esta frase que veio em minha cabeça quando li o artigo que Ana Cláudia Laurindo - Cientista Social, escreveu quando teve contato com a nossa Amélzia, (carinhosamente), a nossa “Branca”, através da biodança.

 

 
No texto a cientista relata a Amelzia explicando: . “A biodança tem por princípio a defesa da vida Seu sentido é biocêntrico! Quando o ser prioriza a vida busca relações saudáveis, amorização (...)“a biodança trabalha a partir dos elementos mais singelos, o amor, a natureza, o ar, a água. A vida é uma grande dança, fazemos no salão o que está no universo. Aqui é um laboratório de vivências para entrar em um sistema mais saudável.”
 

 

Ai, não teve jeito: o retrato que se pinta na memória é o do Bom Pastor: Eu vim para que todos tenham vida....” e já emenda com outra imagem de Alberione: “ficais atentas aos novos tempos....”.

Amelzia, parabéns pela grande descoberta de exercer a nossa missão de Pastorinhas, através da dança, fazendo o bem a tanta gente que está fora do âmbito de paróquia e de igreja. Não dá para não pensar em Jesus: “Há outras ovelhas que não estão neste aprisco”.

Devemos parabenizá-la também pelo livro “O desenvolvimento pessoal do educador através da Biodança” Ed. Edufal escolhido pelos próprios DEFICIENTES VISUAIS e publicado em braile pela Universidade de ALAGOA.

 
 


Leia Mais...


Uma dança para a vida

Data 04/06/2011 | - Hora 16:52
Postado por Irmã Lusineide Cardoso de Melo
12 comentário(s) ...

Gostaríamos de partilhar com todas este artigo, publicado no site Repórter de Alagoas:

 

Texto: Ana Cláudia Laurindo - Cientista Social

O encontro com a mineira alagoanizada Amélzia, ou simplesmente Branca, foi repentino. Logo entrei na roda e já participava da vivência de biodança. Senti a retração que a ferida emocional ainda viva em meu peito, refletia em meus movimentos. Uma suposição de alívio despontou, mas já estava findando aquele momento. Passamos então a dialogar. Pesquisadora, Amelzia fez sua dissertação de mestrado sobre o “mal estar docente”, utilizando a vivência da biodança como alternativa de amortização dos sintomas. 

 

Hoje é doutoranda, na federal da Paraíba, na linha da Educação Popular, tendo como foco as éticas que a biodança tem favorecido a partir de sua vivência. “A biodança tem por princípio a defesa da vida. Seu sentido é biocêntrico! Quando o ser prioriza a vida busca relações saudáveis, amorização.” Por um instante essa fala direcionada soava como algo desconectado desse tempo, onde os ruídos e as intrigas prevalecem. No entanto, essa situação é o que lhe confere maior sentido!

“Essa prioridade da vida vem a partir da conexão afetiva. O criador Rolando Toro diz que fez uma conspiração pela vida!” Em comparativo com outras circunstâncias a conspiração pela morte parece espreitar cada um de nós. Vivemos inseguros, assustados. Mas ela continua: “a biodança trabalha a partir dos elementos mais singelos, o amor, a natureza, o ar, a água. A vida é uma grande dança, fazemos no salão o que está no universo. Aqui é um laboratório de vivências para entrar em um sistema mais saudável”.

Gera reflexão, pois sentimos a perda dos referenciais saudáveis agravada. Fico séria. Ela sorri. “Ainda é pouco conhecida na teoria. Na prática trabalha com movimento corporal e contato afetivo . As pessoas costumam ter preconceitos por causa da rigidez da cultura. O que mais queremos é o que mais tememos!”

 “Temos necessidade de contato para sermos mais saudáveis. E o retorno é ver as pessoas vivendo com mais alegria. Cuidando de si e das outras pessoas. Transformando suas vidas para serem elas mesmas, assumindo suas identidades.” Isso não é fácil para nenhum de nós, vou pensando, envolvida pelos meus próprios referenciais e reflexos das dores da vida.

Mas ela segue adiante afirmando que “cada pessoa tem que buscar alguma forma de ter uma vida mais saudável em meio ao caos. Com amor, fraternidade, cuidado com o meio em que está. Ter felicidade e prazer, apesar dos problemas. Biodança é buscar uma ordem no caos.” Assim encerra. Saio grata, desejando voltar e dançar aquela proposta de vida em meio a dor que também dilacera meu peito. Sem desistir de mim. Sem desistir dos outros. Seguir a dança da vida.

Fonte:
Texto publicado no site Repórter Alagoas em 19/05/2011


Leia Mais...


Em preparação à primeira profissão religiosa

Data 04/05/2011 | - Hora 22:26
Postado por Maria Jeane Bezerra de Aguar
3 comentário(s) ...

"Pai santo vós nos consagrastes a vós no dia do batismo
e agora nos chamais seguir mais de perto Jesus,
vosso filho, na vida evangélica e no apostolado das
Irmãs de Jesus Bom Pastor!"
 
Em vista da primeira profissão religiosa nós, da comunidade do noviciado preparamos várias iniciativas para ajudar o povo a celebrar conosco esse momento significativo e para ajudar a despertar a consciência vocacional
nas crianças, jovens, adultos e idosos.
Foram experiências muito boas e ricas de criatividade, nas quais, por meio de gincana, jornal, palestra, jogral e testemunho de vida, pudemos falar sobre vocação num contexto geral e mais especificamente sobre a vida religiosa consagrada.
 
Ainda dos dias 25-30 de abril fizemos os Exercícios Espirituais orientados pela Irmã Inácia no Jardim das Pastorinhas, foi um momento forte de reflexão sobre o Seguimento Radical a Cristo Bom Pastor, segundo a Palavra de Deus e nossa Regra de Vida!
 
Também foi enviado para nossas comunidades o tríduo vocacional e para a família Paulina uma Vigília a fim de estarmos todos unidos nessa grande corrente de oração, e nós participaremos do mesmo tríduo na paróquia São José Operário do Jardim d’Abril, em São Paulo, onde fizemos nossas primeiras etapas de formação.
 
Desde já elevamos a Deus o nosso “magnificat” pelas inúmeras graças derramadas em nosso favor, agradecemos aos grupos e pastorais que nos acolheram e a todos e todas que de uma forma ou de outra fizeram parte de nosso processo formativo!
 
Com carinho, as noviças: Jeane, Joana e Juliana

 


Leia Mais...


Navegue nos posts anteriores...